“Estou respondendo essas perguntas neste momento e meu bebê de dois anos está chorando, pedindo atenção e escalando a cadeira aqui…”

Essa é a Chris, enquanto nos contava sua experiência como mãe empreendedora. 

A cena não poderia ser diferente e melhor que essa, já que estamos falando sobre ser mãe, não é mesmo?

Christina Lin é uma cliente muito especial da G Digital e, em comemoração ao dia mas mães, nós estendemos o convite a ela para uma entrevista na qual compartilhasse conosco um pouco mais sobre seus desafios e evoluções enquanto mãe e empreendedora no universo digital.

E também, é claro, para que você que é mãe, ou é pai também, se fortalecer com a mensagem. Continue com a gente até o final para saber mais dessa conversa que tivemos com ela.

Nos conte, o que fazia antes de empreender e como foi sua jornada inicial no empreendedorismo?

Eu comecei a empreender cedo, tinha 19 anos, ainda não tinha filhos e tinha lojas de produtos importados.

Os primeiros anos foram anos “dourados”, anos de abundância e prosperidade, mas eu ainda não estava preparada psicologicamente para tanta responsabilidade, lidar com relações humanas, contas a pagar, a receber. E meio que gerou uma crença limitante para mim e larguei esse mundo de empreendedorismo para seguir vida de CLT em grandes multinacionais.

E como foi a jornada inicial no marketing digital?

Depois de ter experimentado a vida de CLT, percebi que meu DNA sempre foi empreendedorismo. Voltei a fazer vários negócios por conta, mas nada preenchia meu coração.

Foi quando completei 40 anos que me dei conta que eu ainda não vivia minha missão de vida. E foi aí que comecei uma nova jornada, a de autoconhecimento.

Fiz vários cursos de desenvolvimento pessoal e, na mesma época, o famoso Érico Rocha começou a aparecer para mim e encontrei Marketing Digital como ferramenta para divulgar trabalhos lindos de vários experts, seres iluminados, para que eles possam espalhar essa luz para o mundo através do meu trabalho.

Eu só fui ter a minha primeira filha aos 38 anos, posterguei demais esse sonho dedicando ao empreendedorismo. Poder empreender digitalmente e poder acompanhar a filha nas suas atividades, é realmente uma benção.

Nos conte mais sobre seu trabalho atual.

Faço lançamentos de infoprodutos. Eu iniciei lançando artesãs, pois eu tinha visão que através das aulas das artesãs poderíamos ensinar as mulheres a empreenderem com produtos que elas gostam e, assim, evitar baixa autoestima e dependência de terceiros. Aos poucos fui migrado para outra área, hoje eu lanço treinadores na área de desenvolvimento humano.

Também dou mentoria para os experts na área de coach, treinadores da mesma área de desenvolvimento pessoal que ainda estão começando e precisam construir a sua autoridade e audiência antes de começarem a lançar seus infoprodutos.

Como é ser mãe e empreendedora digital, Chris?

Uma bênção poder ficar perto dos filhos! E é só por meio digital é que te possibilita a empreender em casa. Sem contar que eles começam a se interessar por esse mundo também, pois eles têm um exemplo bem perto deles.

Por exemplo, A Gabi já tem um canal no YouTube “Bibi Ayumi” onde ela conscientiza as crianças sobre meio ambiente e cuidado com os animais. Ela já até arrecadou R$400 para ajudar uma casa onde cuida de animais abandonados, isso, através das mídias sociais.

O dinheiro arrecadado foi destinado para uma moça que cuida (como pessoa física) de 200 animais que resgatou na rua e precisa de toneladas de ração por mês. E qualquer um pode doar, é só acessar o instagram @bibi.ayumi.campanha para conversar conosco e ajudar.

Em sua opinião, quais os maiores desafios de uma mãe que empreende?

Ficar perto dos filhos é uma alegria, mas ao mesmo tempo eles te chamam o tempo todo. Às vezes dá um aperto no coração, por exemplo, estou respondendo essas perguntas neste momento e meu bebê de dois anos está chorando pedindo atenção, escalando a cadeira aqui e pedindo colo.

E eu que tenho outra filha de 7 anos na idade escolar, muitas vezes tenho que decidir em seguir com meu trabalho ou dar atenção às atividades de desenvolvimento cognitivo dela.

Hoje por exemplo, não consegui fazer comida para eles. Aí, bate aquela culpa… Humm, não é uma tarefa fácil, né?

Qual situação mais divertida que se recorda em sua jornada no trabalho que seus filhos estiveram envolvidos?

Na maioria das vezes eu me tranco no quarto para poder me concentrar para fazer um bom lançamento ou dar mentoria para meus mentorados.

E então ouço o Heitor, (com um aninho na época) com aquela voz de bebê chamando: “Mamãeee”!

Nossa, derrete coração de qualquer mãe. Muitas vezes sei que papai está cuidando bem dele, então, nem abro a porta. Mas e aí esse bebê já entra em ação e vai buscar um banquinho para subir e baixar a maçaneta para abrir a porta e me encontrar…

Outras vezes, a Gabi quer brincar de princesa, aí eu paro para dar atenção. Ela coloca coroas na minha cabeça, eu volto para meu trabalho, esqueço desses apetrechos e começo minhas reuniões online. E só vou descobrir ao me ver nessas chamadas de vídeos com os parceiros e mentorados Haha.

Você sabe, temos que lidar com um monte de emoções todos os dias, mas o que compensa é a ALEGRIA e AMOR que recebemos deles.

Qual ensinamento como mãe que você trouxe pra si, e te apoia a ser uma empreendedora ainda melhor?

Por eles (os filhos), eu não desisto fácil, por eles eu enfrento os problemas. E até consigo ser mais maleável com os meus parceiros, compreendo melhor os lados deles, justamente por ter essa característica de mãe. 

Meus parceiros ou mentorados me acham uma figura super incentivadora deles. Quando não estão nos seus melhores dias, o meu lado mãe sempre entra em ação e com algumas palavras eu os coloco para cima.

Qual sua maior conquista enquanto mãe e empreendedora?

Sem dúvida, poder acompanhar o dia a dia, o crescimento deles, receber o carinho e dar amor. E minha filha me enxerga como uma mãe guerreira, rica, poderosa.

Você acredita que a G Digital te apoia de alguma forma? Se sim, pode nos contar como? 

Ah, essa é a pergunta que tenho mais prazer de responder. Quando inicie em Marketing Digital eu também tive muita dificuldade, devido a falta de conhecimento em tecnologia.

Eu não dominada nenhuma plataforma, até que conheci G Digital por indicação de uma vizinha. Eu vi um vídeo do Rafa Wisch e logo vi que este jovem é diferente, bastante comprometido, tem garra e que sabe como tratar os clientes.

Eu tinha meta de lançar o produto até no máximo início de dezembro, pois era um produto de Natal. E eu entrei em desespero, pois já era um final de novembro. Foi aí que entrei em contato com o Rafa e ele imediatamente convocou o time de elite dele para me auxiliar e finalmente fiz o meu primeiro lançamento.

E de lá para cá, o suporte da G Digital é fundamental, pois eles sabem muito da plataforma, sabem como tirar as dúvidas, são meninos que realmente fazem diferença. Sou muito grata a G Digital.

7- Qual mensagem de força que você deixa para as mães para que não desistam de empreender e buscar o crescimento de suas empresas?

Tenho um vídeo que gravei para incentivar as empreendedoras digitais que está nas minhas mídias sociais @linchristina_ e que me rendeu muita repercussão positiva. Acesse aqui para ver o vídeo.

Recentemente lançaram uma mini série chamada: A Vida e História de Madam C J Walker. Assistam para se inspirar…

mãe empreendedora

A grande mensagem que tirei desta mini série, é que a personagem começou a perder cabelo pela nutrição precária.

E ela podia muito bem se vitimizar, chorar que a vida acabou para ela, mas não. Ao recuperar o cabelo, ela uniu as forças, começou a criar o império dela e acabou se tornando a primeira mulher milionária americana.

Nossa! É uma injeção de ânimo e inspiração para continuarmos nessa jornada de empreendedorismo.

mãe empreendedora
mãe empreendedora

Assista ao trailer abaixo:

No meu vídeo, eu também contei uma história que eu aprendi quando ainda morava lá em Taiwan quando criança. E que serve muito bem para nos motivar quando encontrarmos algum problema durante essa fase de empreendedorismo.

A história é a seguinte:

Tinha um fazendeiro, ele tinha um cavalo e um certo dia, esse cavalo foi embora. Então, os vizinhos do fazendeiro vieram trazer a sua solidariedade e disseram: “Uauu, que falta de sorte!”.

E o fazendeiro simplesmente respondeu “TALVEZ”.

No dia seguinte, o cavalo voltou e trouxe com ele vários outros cavalos juntos. Quando os vizinhos vieram para festejar com o fazendeiro disseram: “Uauuu, que Sorte!”.

Novamente, o fazendeiro simplesmente respondeu: “TALVEZ”.

Alguns dias depois, o filho do fazendeiro resolveu domar um cavalo e quando saiu com ele, caiu e acabou machucando uma perna. E, novamente, os vizinhos vieram prestar a sua solidariedade e disseram: “que falta de sorte!”.

Em seguida, o fazendeiro calmamente respondeu: “TALVEZ”.

Outro dia, os oficiais militares vieram até a fazenda em busca de jovens para convocá-los para o alistamento obrigatório militar, pois iria acontecer uma guerra. Assim que viram que o filho do fazendeiro estava com a perna quebrada decidiram desistir de convocá-lo.

Os vizinhos vieram e disseram “QUE SORTE!”.

E adivinha o que o fazendeiro respondeu? Acertou!
Respondeu: “TALVEZ!”.

Então, se você mamãe ficar desanimada por alguma situação enquanto empreende digitalmente, lembre da força da Madam C J Walker ou da palavra TALVEZ do fazendeiro. Porque tudo tem seu lado bom.

E por último, lembre-se também da frase muito famosa do Dalai Lama:

“As vezes quando não conseguimos o que queremos, pode ser um grande golpe de sorte!

Fantástico, não é? Ficamos felizes por a Chris ter aberto seu espaço pessoal,  partilhado conosco um pouco de suas experiências para transmitir sua realidade e visão para inspirar outras pessoas.

Perguntamos à ela se havia alguma foto que a deixasse mais forte e mais feliz com sua família e filhos. Ela compartilhou essa com a gente!

Família Lin Takahashi

Deixamos aqui nosso feliz dia das mães à todas as empreendedoras protagonistas em suas histórias e nas de seus filhos! Parabéns! 💚